26 novembro 2011

Se quiser

Meu coração
Feito a 4 mãos
Que assei no seu fogão
Só aceita uma ilusão
Se tiver
Sua colher
Se tiver
Uma palavra sequer
Que saída da sua boca
Peça para ser minha mulher

Olhos

Olhos nos olhos, olhos atentos, movimentos. Tudo se transformou de uma hora pra outra em um espetáculo, uma dança de ballet. Ele não sabia muito bem pra onde olhar com mais atenção, só sabia que não podia perder o que estava acontecendo diante de si.

Seu lugar sempre tinha sido o da platéia, mas mal percebia que ele também era o protagonista de um espetáculo tão grande quanto aquele que assistia. Achava que usava um disfarce a vida toda, mas ali estava aquela que via tanto o show como o que estava por de trás das cortinas.

Havia um misto de sentimentos, movimentos. Ela, sem perceber também, ao se inibir dava a ele todo o holofote que ele queria.

Dois contrários se igualando. Tudo era novo, mas tinha um quê de déjà vu, só que não com eles. Livros, histórias, contos, músicas, poesias descreviam o que só agora fazia sentido. Era o silêncio. Silêncio que trazia a calma de quem encontra aquilo que estava procurando. O alívio.

Não era mais preciso procurar, agora boa parte de suas energias se focavam em entender essa coisa diferente.  

E é claro que tudo tem um fim.
Mas talvez não seja uma despedida, talvez seja parte da dança. O segundo ato, o terceiro ato... até que as luzes se acendam.

A platéia nunca mais olhou pro mundo lá fora da mesma maneira que antes. É tudo uma mentira que promove a verdade. É a fantasia que permite a realidade.

18 novembro 2011

Silêncio

E o nada veio de remo
Remoendo a dor a nado
Nadando pra morrer na praia
Se afogando pra vida parecer mais... merecida, meretriz.

14 novembro 2011

A pergunta

E ela vem pra tirar o sono. Vem pra te dar um rumo, um lugar, uma via, um altar. Ela que te joga pra frente, e muitas vezes pra baixo. E é só com ela que você descobre.

Você, experto que é, cria outras esperando que a primeira vá embora. Tolo. Busca resposta pra trair a nossa anônima. E ela revida, gosta de viver sem aliado. Insolúvel, insensível, insaciável. Abraça com força e toma de assalto os desavisados. É a questão que gosta de ficar aberta. Porque maior que a certeza é dúvida...será?

01 novembro 2011

Perdido

Eu inventei um mundo pra ficar menos só
Inventei um gosto que é fácil de saciar
Tornei o açúcar algo difícil de se contrariar
Me perco só pra ninguém me localizar
E se o fazem, melhor me afastar
Porque se nem eu me acho, como pode outro alguém se aventurar?

Blogged.com