19 setembro 2010

Mantra 2

Minha alma
Minha calma
Me acalma

Minha alma
Se acalma
E me acalma

Minha calma
Sem alma
Se acalma
Me acalma

Minha alma
Minha calma
Me acalma
Me acalma
Me acalma

14 setembro 2010

Peixe fora d'água

Já era hora de descer do navio e finalmente voltar para casa depois de uma temporada de vários meses no mar pescando. A pesca havia sido farta e agora todos os seus amigos e amigas iriam voltar para suas famílias para então depois de algum tempo voltarem novamente para o trabalho no mar.

Fato era que "voltar para sua família" não fazia mais sentido para aquele que havia passado tanto tempo imerso em uma atmosfera de amizade e companheirismo isolado de todo o resto da humanidade. Era um lugar aonde só havia a saudade de casa e a vontade de voltar para sua morada em terra firme.

Mas agora em terra firme as coisas pareciam ter tomado o rumo inverso, a saudade agora era do mar. Mas era óbvio que não era do mar exatamente, era sim das pessoas, do amor platônico que estaria por lá também... A "família" em casa era agora estranha, já haviam se acostumado com a saudade,  com a sua ausência. O tempo que passou com seus companheiros era o que tinha feito tudo mudar, seja em momentos de distração, brigas, cia, etc.

No meio do caminho pra casa ele se via perdido. O coração já não tinha mais um lugar, uma morada. Estava indo aonde a correnteza levava, não fazia distinção da direção e nem de sentido algum. Não fazia sentido se ver entre familiares quando na verdade não passavam agora de pessoas de grande similaridade genética.

A temporada em casa o fez o ser mais sozinho deste mundo, mais ilhado e afogado entre propagandas, televisão, comida e cinema. O trabalho o tirava toda essa "diversão", mas era pra lá que ele queria ir. Era pro encontro de pessoas que gostavam da sua cia por um bom e longo tempo sem pensar mais vezes do que o necessário para cometer um crime. O convívio enclausurado oferece perigos, mas esses, ele nunca havia presenciado, se havia, era velado. Imaginava que havia encontrado o grupo de amigos mais gabaritados para dividirem suas histórias entre si. E eram.

Na volta ao mar todos reclamavam das vidas medíocres que passavam em terra firme e que a única coisa que pensavam era em voltar à pesca. Percebiam que passavam o tempo todo contando as histórias que tinham no mar, como lidar com o isolamento no oceano. Viram como era maior o isolamento na cidade, onde parece mais um arquipélago.

Torciam para naufragar e ficarem sozinhos em uma ilha e esquecer que um dia vieram a ter uma vida de fingimentos, de trabalhar por uma vida que já nem existia mais...

...

Mas agora, em alto mar, depois de tanto tempo, a saudade da família voltara. Torcia para terminar logo a pescaria e encontrar um descanso. Passar um tempo fingindo ser quem não era mais. A saudade não era da família, e sim, de quem um dia eles foram.

09 setembro 2010

O vilão

O artista é um striper nato. Gosta de se despir, ainda mais se for um anônimo. Dá a cara a tapa, mas não a sua, a de um laranja que ele mesmo cria. Se reserva no direito de disfarçar e até mentir os nomes e as histórias para que seu segredo fique assegurado.

São nessas estórias e contos que seus sonhos se tornam realidade e o poder de manipular as pessoas finalmente é possível, pois são suas crias. Manipula detalhes fazendo o leitor olhar para o lado mais forte do monstro, deixando os flancos desprotegidos do nosso dragão escritor se safar mais um vez. Ele brinca ao passo que deixa você, pobre leitor indefeso, pensar que está no controle. É um jogo arriscado, mas que termina em vitória pro autor quando vê que a discussão passa longe do alvo e acerta bem no meio do seu ego, inflando-o. Ahh, como não se viciar com tal sensação! Presas brigando entre si quando ele, o responsável pela briga, está sentado tal qual um imperador que acena e escolhe o vencedor para o ultimo golpe de misericórdia. E ainda recebe elogios, comendo-os como uvas servidas pelas mais belas mucamas e as críticas ruins são os os caroços que ele cospe em lugar fértil a fim de que dali passam brotar bons frutos no futuro.

A metalinguagem seria como um tiro que sai pela culatra, um fruto da criação, um delator espião que tenta sabotar os planos dos poetas e instaurar um golpe de estado. Há tempos ela tenta ser mais clara e objetiva, mas cai nas garras de sua natureza, sua origem, seu sangue, como uma piada para alegrar a nobreza, é o bobo da corte.

Alguns artistas insistem que só querem te entreter. Mas não se engane, pois como bom contador de estórias ele é um mentiroso nato. Então, muitas vezes, de vítima você pode passar a cúmplice.

01 setembro 2010

Rito de passagem (Projeto Telefone sem Fio)

Ilustra: Lia Fenix


Era um dia especial na casa da Chapeleira
Havia comprado todos os tipos de doces, bolos e chás para comemorar
A comemoração vinha da notícia que tinha para dar
Uma notícia que ela mal podia segurar

Tinha preparado tudo pra impressionar
Um luxo como nunca antes visto
Era fartura pra todo lado
Nem ela sabia pra que tudo isso

Queria ver todos contentes
Sabia que a festa representava um marco
Pois sendo filha de quem era
Nada seria equivocado

Deu muito trabalho toda aquela festança
Havia de tudo, até bolo na aliança
Ela não sabia como tudo começara
Tinha até penetra sem vergonha na cara

Chegou então o grande momento
Quando os convidados já estavam fartos
Era a hora do anúncio
Todos haviam lambido seus pratos

Então ela começou a falar:
"Bem vindos meus amigos
De longe vocês vieram para aqui me ouvir declarar
Vocês até agora não sabem o que eu vos tenho a compartilhar
Dada a minha paternidade eu tenho muito o que fazer
Mas até agora eu era só uma chapeleira e não podia me comprometer

Entretanto completei minha jornada depois de muito desaprender
Serei a partir de hoje não só mais uma apreciadora de chás
Não só mais uma trocadora de roupa
Serei mundialmente conhecida como a Chapeleira Louca!"
----------------------------------


louco
lou.co
adj (cast loco) 1 Que perdeu a razão, alienado, doido. 2 Insensato, inconsiderado. 3 Arrebatado, imoderado, imprudente, temerário. 4 Mec Que pode girar independentemente sobre o eixo em que está montado, sem comunicar a rotação a este; solto, livre: Polia louca. 5 Alegre, brincalhão, folgazão, galhofeiro. 6 Doidivanas, estróina, extravagante. 7 Apaixonado. 8 Extraordinário, fora do comum, estupendo. sm 1 Indivíduo que perdeu a razão. 2 Indivíduo extravagante, desatinado.

loucura
lou.cu.ra
sf (louco+ura2) 1 Estado de quem é louco. 2 Med Desarranjo mental que, sem a pessoa afetada estar ciente do seu estado, lhe modifica profundamente o comportamento e torna-a irresponsável; demência; psicose. 3 Ato próprio de louco. 4 Insensatez. 5 Aventura insensata. 6 Grande extravagância. 7 fam Alegria extrema, diabrura: Loucuras das crianças. 8 fam Propensão excessiva; mania: Loucura pelo futebol. 9 fam Despesa desproporcionada. Antôn (acepção 4): siso.

Blogged.com