26 abril 2009

Abertos demais


Mundos diversos
bancos dispersos
um ônibus, uma janela, um bar
outra vida, outro olhar
caso optado
surdo ou calado
fatos de um lado
livros do outro
sinto-me solto
pouco envolto

Dos poros chorei
a culpa do direito
direitos da lei
de tudo que vi
do preço da escolha
seja o for, percebi
que pra consertar os olhos
a gente precisa fechá-los.

21 abril 2009

Sem título

A inspiração não vem de mim, eu a moldo. Engraçado perceber isso, mas é assim que é. Eu me vejo como um catalisador das coisas que leio e das novas associações que faço quando dou a sorte de me encontrar com combinações de fatos e notícias que antes a mim foram ignoradas. Fico muitas vezes esperando que algo aconteça. Esperar..... essa tem sido uma das minhas melhores façanhas ultimamente. Não que eu tenha esperado com paciência, sabedoria ou por opção, mas sim por enganação. Sim, um bom mentiroso, daqueles que mentem com medo da verdade. E quando ela chega me torno um ladrão, que rouba a verdade e tem a audácia de colocar em troca algo de menos valor para que a falta seja substituída pela loucura.

Blogged.com