09 outubro 2011

Ego

- Oi Clarice - tentava ele se comunicar.
- Oi.
- Não sabia que estava aí, o que estás fazendo?
- Ainda não sei, talvez esperando ordens.
- De quem?
- Suas.
- Minhas? Como assim? Porque eu haveria de lhe dar ordens?
- Admite que não as quer me dar?
- ...
- ...
- Eu odeio sua sinceridade.
- Mas gosta de mim ainda sim?
- Gosto.
- Gosta quando obedeço?
- Não e sim. Eu gosto quando obedece, mas por opção.
- Eu não tenho opção. Mas posso arrumar algumas, se é de seu querer. Mas ainda sim, uma única opção, continua sendo opção.
- Por que faz isso?
- Por que gosto de você.
- Gosta de me obedecer?
- Sim e não. Eu gosto de te obedecer quando isso me parece a única opção, não por eu querer, mas por ser aquilo, só aquilo, e nada mais.

_______________________________________________________

...
- Quantas vezes tenho que te dizer que gosto de observar de longe?
- Uma só.
- Quantas vezes tenho que te dizer que gosto de observar de longe?
- Uma só.
- Quantas vezes tenho que te dizer que gosto de observar de longe?
- Uma só.
- Quantas vezes tenho que te dizer que gosto de observar de longe?
- Uma só.
- Quantas vezes tenho que te dizer que gosto de observar de longe?
- Uma só.
- Quantas vezes tenho que te dizer que gosto de observar de longe?
- Uma só.
- Quantas vezes tenho que te dizer que gosto de observar de longe?
- Uma só.
- Quantas vezes tenho que te dizer que gosto de observar de longe?
- Uma só.


04 outubro 2011

Euréka

Queria parecer ingênuo, incrédulo e secreto
Queria não poder ver de perto a distância que nos separa
Mas existem certos momentos que a gente precisa ser aquilo que não é para se tornar aquilo que quer ser
E eu hoje sou
Mas você ainda não é.
Então só me resta esperar (ou não) que você não seja você mesma, apenas por um dia, pois assim, quem sabe, você seja minha... para sempre.

Blogged.com