19 agosto 2010

Sem título

Daqui de cima da pra ver que estou longe de todos. É natal, e ninguém estaria em casa sozinho hoje. Mas tudo bem, nada que um cigarro não resolva, claro. Mas eu não fumo.

O carteiro e o cigarro

Sei bem como é ser bem tratado. Esse é um mal, saber. Fico aqui de cima achando tudo o que eu posso achar, e no final, não acho nada. Tenho a mim mesmo para convencer a sair e me surpreender, mas hoje eu resolvi fumar um cigarro. Pronto, um cigarro iria me relaxar, me tirar daqui. Seria um amigo que todos por aí parecem levar no bolso e podem até acender. Só que eu sou desgraçado demais pra me tirar daqui. Eu quero isso.

- É natal, foda-se. Vou descer e comprar na primeira banca de jornal o meu primeiro amigo, quer dizer, o meu cigarro.

Impressionante! Acho que até você ficou convencido depois que eu xinguei né? É, mas eu não. (Xingar faz a gente parecer ter mais certeza do que está falando, fica mais real entende?) Tô aqui ainda sentado, sou um personagem parado e você não vai querer ler até o fim pra descobrir o meu paradeiro. Sabe o por quê? Porque estarei bem aqui, quando sua leitura terminar, já você, talvez não. Ah, mas você é chato, tem a esperança de que no final, eu vá te surpreender..., ok, siga ao desapontamento.


Vou te contar o que eu faço pra viver: entrego cartas o dia inteiro pra pessoas que eu nunca vou conhecer. Levo até elas uma informação importante, um carinho de um amigo distante, as letras e garranchos que elas guardam com apreço em um lugar especial. Sim, sou um carteiro. Não, ninguém mais recebe cartas de amigos. Falei isso só pra te deixar com aquela frase na cabeça: "Minha época era tão boa, quando as pessoas mandavam cartas". Sou da sua época amigo*, nunca as recebi. Nem de você e nem de ninguém. Nem quando a tarefa do colégio era de cada um enviar uma carta a um "amigo" sorteado (eu a mandei, mas não recebi).

Não fique triste por mim, eu não fiquei.

Fato é que hoje temos email, sms, celulares e o escambau... e eu ainda entrego cartas. Eu ainda acho que recebê-las seria uma coisa legal. Mas não tem mais. Agora é só contas, revistas, propagandas... aquele mesmo material que você também encontra na sua caixa de correios, virtual. Mas eu sou real. Eu recebo pra entregar. Vejo muitas pessoas todos os dias, ando bastante e no final do dia eu estou sozinho, sem carta e sem amigo. Faço a informação fluir, chegar ao seu destinatário, todos se entendendo, mas eu não.


Vou escrever uma carta pra mim mesmo. Quem sabe até me sugerir ir até o jornaleiro comprar um cigarro. (Hey, você ainda taí? Insistente ham?) O jornaleiro é um cara que viu muitas coisas mudarem no seu ramo nos últimos anos. Assim como as cartas pararam de serem escritas, os jornais estão diminuindo drásticamente suas tiragens... não pense nisso.

Mas eu não estou aqui pra falar dele, estou aqui pra escrever uma carta pra mim, que eu vou me recusar a entregar. Eu procrastino de propósito. Eu sou sincero comigo mesmo. Alguns vêm a sinceridade como coragem. Mas no meu caso não é coragem porque não há medo. Sou é ingênuo mesmo, a verdadeira explicação pra muito "corajoso" por aí.


Você deve estar pensando na utilidade da carta quando se pode conversar pessoalmente. Também deve estar pensando na utilidade do email quando se pode usar o msn, gtalk, orkut e etc. A carta escrita à mão é como se fosse um desenho, um registro, um documento. Serve pra você ler e reler, guardar e pendurar (e acender também). É tal qual uma foto... mais até, pois trás um monólogo, um roteiro, um movimento, uma idéia de alguém que quis que ela fosse sua e ela está congelada no tempo. Eu seria mais feliz se pudesse entregar uma carta dessas. Ver o sorriso de alguém ao recebê-la e o seu olhar com afago pro remetente com expectativas.


(Alguma coisa foi entregue aí?)


Vou seguir com a minha carta, sem cigarro, mas eu não disse que não teria um álcool... e ela vai começar mais ou menos assim...

1 co-mentários:

Francine Ribeiro disse...

ow, muito bom o texto, Murilo!
Adorei!
e sabe, eu já recebi muitas cartas, dessas que são esperadas com ansiedade, recebidas com um sorriso e guardadas numa caixa especial. Sim, eu tenho uma caixa de cartas.
É verdade que com o tempo elas param de chegar. Mas pelo menos tenho uma caixa delas guardadas. E,de vez em quando, abro a caixa, esparramos as cartas sobre a cama e fico relendo, e dou risada, e choro, e sinto saudade e depois guardo tudo de novo.

Amei o texto!

Blogged.com